ÁREA DO CLIENTE

Consulte o andamento do seu processo

NOTÍCIAS

Newsletter

Endereço

Avenida Princesa Isabel , 15 , Conj. 1710/1712
Centro
CEP: 29010-361
Vitória / ES
+55 (27) 32223106+55 (27) 30267037

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,11 5,11
EURO 5,65 5,65

Previsão do tempo

Hoje - Belo Horizonte,...

Máx
27ºC
Min
18ºC
Poss. de Panc. de Ch

Domingo - Belo Horizon...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Nublado com Pancadas

Segunda-feira - Belo H...

Máx
29ºC
Min
19ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - São Paulo, SP

Máx
28ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - São Paulo, ...

Máx
28ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Segunda-feira - São P...

Máx
28ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
31ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Rio de Janei...

Máx
31ºC
Min
20ºC
Nublado com Pancadas

Segunda-feira - Rio de...

Máx
30ºC
Min
20ºC
Nublado

Hoje - Guarapari, ES

Máx
29ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Guarapari, E...

Máx
29ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Guarap...

Máx
29ºC
Min
22ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Vitória, ES

Máx
29ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Vitória, ES

Máx
29ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Vitór...

Máx
29ºC
Min
22ºC
Chuvas Isoladas

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

NJ - Empresa de ônibus é condenada por submeter empregados a duração de trabalho exaustiva

Uma empresa de ônibus, com sede em Belo Horizonte, terá que pagar R$ 100 mil de indenização, por danos morais coletivos, por cometer infrações trabalhistas relativas, principalmente, à duração do trabalho dos empregados. A decisão foi do juiz da 15ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, Gastão Fabiano Piazza Júnior, em ação civil pública movida contra a empresa pelo MPT (Ministério Público do Trabalho).   Segundo o órgão, a conduta ilegal da empresa estava expondo os empregados a riscos ocupacionais desnecessários e a jornadas de trabalho exaustivas. Fatores que, de acordo com o MPT, potencializavam a ocorrência de doenças ocupacionais, acidentes típicos e outros problemas ligados à saúde física e mental dos trabalhadores.  A empresa exigia o cumprimento de carga de trabalho além do limite legal e, ainda, foi constatado que não eram regularmente concedidos os intervalos para descanso e alimentação durante a jornada. Os repousos semanais também não estavam sendo corretamente observados. Foram detectadas também irregularidades no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e identificada a necessidade de implementação de Programa de Conservação Auditiva (PCA).  Em sua defesa, a empregadora não negou as irregularidades referentes ao excesso de jornada e à fruição dos intervalos e repousos. Argumentou, contudo, que elas eram pontuais e que ocorriam apenas em relação aos empregados que ocupavam os postos de motorista e cobrador. Ela contestou as falhas apontadas e informou que estaria dispensada de elaborar o PCA, já que o ruído ocupacional estaria dentro dos limites de tolerância.  Mas, ao avaliar o caso, o juiz da 15ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte reconheceu as irregularidades cometidas. Segundo o magistrado, o relatório elaborado pela Assessoria Contábil do Ministério Público do Trabalho, a partir do exame dos cartões de ponto, não deixou dúvida quanto ao descumprimento das normas atinentes à duração do trabalho, inclusive com um número expressivo de casos apontados.   Além disso, indicou, por amostragem, ocorrências de fruição irregular dos intervalos inter e intrajornada, bem como dos repousos semanais. Pelo relatório, ficou claro ainda que os problemas afetavam outras categorias de empregados, como a de despachantes, além dos motoristas e cobradores, como alegou a empresa.  Já quanto ao ambiente de trabalho, as provas periciais produzidas confirmaram as falhas noticiadas. Isso em relação ao PCMSO e PCA. Pelos documentos disponibilizados, há vários registros de nível de ruído acima do nível de ação nas atividades de motoristas e cobradores. O que confirma, segundo o juiz, a efetiva necessidade de implantação do PCA.   Para o juiz Gastão Fabiano Piazza Júnior, a empresa de ônibus não teve o êxito de produzir prova que anulasse os levantamentos do MPT e do perito. E, por isso, após devidamente provadas as irregularidades trabalhistas, o magistrado condenou a transportadora ao cumprimento de seis obrigações. Entre elas, “.   O magistrado destacou, por fim, que ficou configurada também a lesão aos interesses transinpiduais, assim considerados aqueles pertencentes a toda a sociedade, que ultrapassam a esfera dos interesses meramente inpiduais. Por isso, julgou pertinente a reparação por dano moral coletivo de R$ 100 mil, valor que será revertido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT.
18/02/2020 (00:00)
Visitas no site:  903288
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia